Estatuto do Club Ibérico de la Raza Perro Lobo Checoslovaco (CIRPLC)

 

CAPÍTULO I

Disposições gerais

 

Artigo 1: Denominação

Com o nome CLUB IBÉRICO DE LA RAZA PERRO LOBO CHECOSLOVACO e como abreviatura CIRPLC, uma associação é constituída sob a Lei Orgânica 1/2002, de 22 de março, que regula o Direito de Associação e normas complementares, com personalidade jurídica e capacidade total agir, sem motivo de lucro.

 

Em tudo o que não estiver previsto nestes Estatutos, aplicar-se-á a mencionada Lei Orgânica 1/2002, de 22 de março, e as disposições complementares de desenvolvimento.

(A denominação deve respeitar os requisitos e limites previstos no artigo 8 da LO 1/2002 e nos artigos 22 e 23 do Regulamento do Registro Nacional de Associações, aprovado pela RD 949/2015, de 23 de outubro)

 

Artigo 2: Duração

 

Esta associação é estabelecida indefinidamente.

 

Artigo 3: Sede social

 

Calle Empedrado Nº 66-1º Pontedeume Corunha CP: 15600, sendo o escopo de ação o território nacional inteiro.

 

Artigo 4: fim associativo

 

O objetivo da Associação é assumir a gestão na Espanha da criação do Wolfdog Checoslovaco, cuidando do constante aprimoramento da raça, tanto em utilidade quanto em morfologia, sua difusão e organização de todos os tipos de eventos competitivos ou não. o desenvolvimento da raça e sua disseminação para a sociedade em geral e a ajuda e orientação necessárias para a constituição de novos incubatórios dedicados a ela.

 

Ele também assumirá a representação e defesa de todos os membros do clube.

 

Artigo 5: Meios

 

Para o cumprimento desses propósitos, as seguintes atividades serão realizadas usando todos os meios que seu Conselho de Administração considerar necessários, dentro dos regulamentos da Royal Canine Society of Spain e com o limite estabelecido pelo orçamento anual de despesas.

Em particular, o Clube pretende, a título indicativo e não limitativo, utilizar os seguintes meios:

 

1 ° A publicação do Padrão Oficial da Raça, aprovado pela FCI

2 ° Publicar artigos técnicos, documentação, conselhos, etc., na forma de artigos que aparecerão na Newsletter do Clube, nas revistas sobre cães ou nas brochuras especialmente editadas; Além disso, a resposta direta a quaisquer perguntas específicas que possam ser enviadas pelos parceiros.

 

3 ° Organizar testes de seleção de beleza, caráter e utilidade, isoladamente ou em colaboração com outros clubes especiais afiliados à Royal Canine Society of Spain ou outras organizações similares de outros países reconhecidos pela FCI e manter um registro dos assuntos recomendados pelo clube e jogadores de elite, selecionados por meio de regulamentos, cujo programa será estabelecido pela Comissão de Criação.

 

4 ° A formação de juízes competentes, a ser conferida pela Royal Canine Society of Spain, de acordo com o Regulamento dos Juízes.

 

5 ° Organizar exposições especiais da raça, de maneira particular ou no âmbito de exposições caninas nacionais ou internacionais realizadas na Espanha, sempre sob a tutela da Royal Canine Society of Spain.

 

6 ° Criar prêmios especiais, prêmios de criação e prêmios de honra que recompensem as melhores matérias apresentadas pelos Parceiros nos vários eventos organizados sob os regulamentos da Real Sociedad Canina de España e das Sociedades Regionais a ele afiliadas, bem como nas promoções do clube.

 

7 ° Aconselhar os fãs em tudo relacionado a registro, importação, participação em exposições na Espanha e no exterior, etc., bem como manter relações de trabalho com clubes de corrida de outros países, especialmente com os países de origem da raça (República Tcheca e Eslováquia).

 

8º Julgar a autenticidade dos registros de nascimento apresentados pelos Membros, controlando as origens dos pais, as travessias e as ninhadas subsequentes, tanto no interesse da pureza da raça, como como garantia em relação à os futuros donos dos filhotes, liderando também o gerenciamento e controle das ninhadas dos criadores do clube.

 

9 ° O reconhecimento do LOE como livro oficial de origens em Espanha e dos livros oficiais reconhecidos pela FCI

 

10º A entidade cumpre os Estatutos e Regulamentos do RSCE e apenas os cães da raça ou raças que são objetos de sua atividade registrados no Livro de Origem Espanhol (LOE) ou no Registro de Raças de Cães (RRC) participarão de suas atividades. da Royal Canine Society of Spain ou em livros de origem de associações reconhecidas pela FCI, se seus expositores fossem proprietários estrangeiros, devendo acompanhar a fotocópia do registro, em ambos os lados, do pedigree original.

 

11 ° A designação de Delegados Regionais, chamada a representar o Clube em um determinado local e, eventualmente, a criação de Seções Regionais, onde o número de Membros exige.

 

12 ° Publique, de acordo com as possibilidades orçamentárias do clube, um Boletim periódico, tratando de todas as questões que permitam um melhor conhecimento e valorização da raça, servindo como um elo entre todos os fãs, proprietários e criadores.

 

13º Trabalhar em colaboração com instituições públicas ou privadas que incluem o trabalho com cães utilitários entre suas atividades para atingir seus objetivos e metas. Incluindo a assinatura de acordos, cujo objetivo é usar o Wolfdog da Checoslováquia como cão utilitário, em seu sentido mais amplo, como: atividades de busca e salvamento de cães, cão de assistência para deficientes, etc. e, em geral, todos aqueles propícios ao desenvolvimento da raça como um cão utilitário para a sociedade.

CAPÍTULO II

ASSEMBLEIA GERAL

Artigo 6. Natureza e composição.

 

A Assembléia Geral é o órgão supremo de governo da Associação e será composta por todos os membros. Com os direitos e obrigações estabelecidos em nossos Regulamentos do Regime Interno (RRI a partir de agora).

 

Artigo 7. Reuniões.

 

As reuniões da Assembléia Geral serão ordinárias e extraordinárias. O ordinário será realizado uma vez por ano dentro de 2 meses após o final do ano; os extraordinários serão realizados quando as circunstâncias o aconselharem, no julgamento do Presidente, quando o Conselho de Administração concordar ou quando um décimo dos associados o propor por escrito. As reuniões da Assembléia Geral podem ser presenciais ou eletrônicas, garantindo sempre a máxima participação dos membros.

 

Artigo 8. Chamadas.

 

A convocação das Assembléias Gerais será feita por escrito, expressando o local, dia e hora da reunião, bem como a ordem do dia, com expressão específica dos assuntos a serem discutidos. Devem decorrer pelo menos quinze dias entre a convocação e o dia indicado para a realização da Assembléia na primeira convocação, e a data e hora em que a Assembléia se reunirá na segunda convocação também podem ser indicadas, sem entre uma e outro pode mediar menos de uma hora. Se a assembléia for eletrônica, será concedido um período de dez dias para garantir a máxima participação dos membros.

 

Artigo 9. Adoção de acordos.

 

As Assembléias Gerais, ordinárias e extraordinárias, serão validamente constituídas em primeira convocação quando um terço dos associados ao direito de voto comparecerem, e em segunda convocação, seja qual for o número de membros com direito a voto.

 

Os acordos serão tomados por maioria simples das pessoas presentes ou representadas quando os votos afirmativos excederem os negativos, não sendo computáveis ​​as nulas, as lacunas ou as abstenções para esses fins.

 

Será necessária a maioria qualificada das pessoas presentes ou representadas, o que resultará quando os votos afirmativos excederem a metade deles, para:

 

a) Dissolução da entidade.

b) Modificação dos Estatutos, incluindo mudança de sede.

c) Alienação ou alienação de bens pertencentes ao ativo imobilizado.

 

Artigo 10. Poderes.

 

Os poderes da Assembléia Geral são:

 

a) Aprovar a administração do Conselho de Administração.

b) Examinar e aprovar as contas anuais.

c) Eleger os membros do Conselho de Administração.

d) Definir taxas ordinárias ou extraordinárias.

e) Aprovar a dissolução da Associação.

f) Modificar os Estatutos, incluindo a mudança de sede.

g) Alienar ou alienar os ativos.

CAPÍTULO III

CONSELHO ADMINISTRATIVO

Artigo 11. Composição.

 

A Associação será gerenciada e representada por um Conselho de Administração formado necessariamente por um Presidente, um Secretário, o Tesoureiro.

 

O vice-presidente e os membros determinados também podem fazer parte do Conselho de Administração.

 

(Somente membros residentes na Espanha podem fazer parte do Conselho de Administração, desde que sejam maiores de idade, estejam em pleno uso dos direitos civis e não estejam envolvidos em razões de incompatibilidade estabelecidas na legislação vigente. Mesmos requisitos, exceto a condição parceiro, deve reunir as pessoas singulares que agem em nome dos cargos que são pessoas coletivas)

 

Todos os cargos que compõem o Conselho de Administração serão gratuitos. Estes serão designados e revogados pela Assembléia Geral e seu mandato terá uma duração de 4 anos. Eles podem candidatar-se à reeleição quantas vezes acharem apropriado. Para poder aparecer no Conselho de Administração, será necessário ter 5 anos como parceiro (Ininterrupto).

Artigo 12. Presidente.

 

O Presidente terá os seguintes poderes: representar legalmente a Associação perante todos os tipos de organizações públicas ou privadas; convocar, presidir e adiar as sessões realizadas pela Assembléia Geral e pelo Conselho de Administração, bem como dirigir as deliberações de um e de outro; encomendar pagamentos e autorizar com seus documentos de assinatura, atas e correspondência; adotar qualquer medida urgente que o bom funcionamento da Associação aconselhe ou no desenvolvimento de suas atividades seja necessário ou conveniente, sem prejuízo de posterior reporte ao Conselho de Administração.

 

Artigo 13. Vice-presidente / a.

 

O vice-presidente substituirá o presidente em sua ausência, motivado por doença ou qualquer outra causa, e terá os mesmos poderes.

Artigo 14. Secretário.

 

O Secretário será responsável pelo trabalho puramente administrativo da Associação, emitirá certificações, manterá os livros legalmente estabelecidos da Associação e o arquivo dos associados e guardará a documentação da entidade, fazendo as comunicações em nomeação de Conselhos de Administração e outros acordos sociais que possam ser registrados nos Registros correspondentes, bem como cumprimento de obrigações documentais nos termos que legalmente correspondem.

 

Artigo 15. Tesoureiro.

 

O Tesoureiro coletará e guardará os fundos pertencentes à Associação e cumprirá as ordens de pagamento emitidas pelo Presidente.

 

Artigo 16. Membros.

 

Os Membros terão suas próprias funções como membros do Conselho de Administração, bem como os decorrentes das delegações ou comissões de trabalho que o próprio Conselho lhes confia.

 

Artigo 17. Regime de baixas e substituições.

 

Os membros podem se retirar por renúncia voluntária comunicada por escrito ao Conselho de Administração e por violação das obrigações que lhes são confiadas. As vagas que surgirem por esses motivos serão preenchidas provisoriamente pelos outros membros até a eleição final pela Assembléia Geral convocada para esse fim.

 

Eles também podem causar rescisão devido ao vencimento do mandato. Nesse caso, eles continuarão mantendo suas posições até que ocorra a aceitação daqueles que os substituem.

CAPÍTULO IV

PARCEIROS / AS

 

Artigo 18. Requisitos.

 

As pessoas com capacidade de agir que tenham interesse no desenvolvimento dos objetivos da Associação podem pertencer à Associação.

 

Artigo 19. Classes.

 

Dentro da Associação, haverá as seguintes classes de parceiros:

 

a) Promotores ou fundadores, que serão os que participam do ato de constituição da Associação.

b) Número, que será aquele que entrar após a constituição da Associação.

c) De honra, aqueles que, por seu prestígio ou por terem contribuído de maneira relevante para a dignidade e desenvolvimento da Associação ou para o bom desenvolvimento da raça, têm direito a essa distinção. A nomeação dos membros honorários corresponderá ao conselho de administração.

Artigo 20. Retirada.

 

Os membros causarão a retirada por qualquer um dos seguintes motivos:

 

a) Por renúncia voluntária, comunicada por escrito ao Conselho de Administração.

b) Por descumprimento de obrigações financeiras, caso não cumpra a taxa anual.

 

Artigo 21. Direitos.

 

Os parceiros fundadores e numéricos terão os seguintes direitos:

 

a) Participar de todas as atividades organizadas pela Associação no cumprimento de seus propósitos.

b) Aproveite todas as vantagens e benefícios que a Associação pode obter.

c) Participar nas Assembléias com voz e voto.

d) Ser eleitor e elegível para cargos gerenciais.

e) Receber informações sobre os acordos adotados pelos órgãos da Associação.

f) Fazer sugestões aos membros do Conselho de Administração para melhor cumprir os propósitos da Associação.

 

Artigo 22. Deveres.

 

Os parceiros fundadores e numéricos terão as seguintes obrigações:

 

a) Cumprir estes Estatutos e os acordos válidos das Assembléias e do Conselho de Administração.

b) Pague as taxas definidas.

c) Cumprir, quando apropriado, as obrigações inerentes ao cargo que ocupam.

Artigo 23. Direitos e deveres dos membros honorários.

 

Os membros de honra terão as mesmas obrigações que os fundadores e o número, exceto os previstos nas seções b) do artigo anterior.

Da mesma forma, terão os mesmos direitos, com exceção dos listados nas seções c) ed) do artigo 23, podendo comparecer às assembléias sem direito a voto.

 

CAPÍTULO V

REGIME ECONÔMICO

 

Artigo 24. Recursos econômicos.

 

Os recursos econômicos previstos para o desenvolvimento dos objetivos e atividades da Associação serão os seguintes:

 

  1. Taxas de associação, periódicas ou extraordinárias.

  2. Subsídios, legados ou heranças que podem ser recebidos legalmente por associados ou terceiros.

  3. Qualquer outro recurso legal.

 

Artigo 25. Patrimônio.

 

O patrimônio inicial da associação é de 150 euros. (25 EUROS PARA CADA MEMBRO FUNDADOR)

Artigo 26. Duração do exercício.

 

O exercício associativo e econômico será anual e seu encerramento ocorrerá em 1º de janeiro de cada ano.

CAPÍTULO VI

DISSOLUÇÃO

Artigo 27. Dissolução.

 

A Associação será dissolvida voluntariamente quando acordado pela Assembléia Geral Extraordinária, convocada para esse fim, de acordo com o disposto no artigo 9 deste Estatuto.

 

Artigo 28. Liquidação e destino do restante.

 

No caso de dissolução, uma comissão de liquidação será nomeada. Uma vez extintas as dívidas, o excedente líquido, quando apropriado, será utilizado para fins que não distorçam a natureza sem fins lucrativos da Associação.

 

Em Pontedeume, em 28 de maio de 2019

 

DILIGÊNCIA: registrar que esses estatutos incluem as modificações acordadas na assembléia geral de 28/05/2019

Club Ibérico de la Raza del Perro Lobo Checoslovaco. 2019

Patrocinador oficial:

YouTube.png
ARION.png

Clube afiliado ao RSCE / FCI:

RSCE.png
2000px-FCI_Logo_edited.png